sexta, 17 de julho de 2020

Terapia inalatória tripla com duas doses de glicocorticoide no DPOC moderado a muito grave

Klaus F. Rabe, Fernando J. Martinez, Gary T. Ferguson, et al, for the ETHOS Investigators

Fonte: N Engl J Med 2020; 383:35-48

Resumo

Introdução:T Esquema triplo com dose fixa de glicocorticoide inalatório, antagonista muscarínico de longa ação (LAMA) e B2-agonista de longa ação (LABA) para a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) tem sido estudado com dose única de glicocorticoide, mas faltam estudos com 2 doses.

MÉTODOS: Em estudo randomizado, fase 3, com 52 semanas, para avaliar a eficácia e a segurança da terapia tripla com 2 doses de glicocorticoide inalatório em pacientes com DPOC moderado a muito grave e com pelo menos uma exacerbação no último ano, nós incluímos pacientes numa razão 1:1:1:1 para receber terapia tripla inalatória duas vezes ao dia (glicocorticoide inalatório [320 ou 160 µg de budesonida], LAMA [18 µg de glicopirrolato], e LABA [9,6 µg de formoterol) ou uma das duas terapias duplas (18 µg de glicopirrolato mais 9,6 µg de formoterol ou 320 µg de budesonida mais 9,6 µg de formoterol). O desfecho primário foi a taxa anual (número médio estimado por paciente por ano) de exacerbações moderadas a graves do DPOC, analisada por intenção de tratar modificada apenas na população em tratamento.

Resultados: 8509 pacientes foram incluídos na análise por intenção de tratar modificada. A taxa anual de exacerbações moderadas a graves foi de 1,08 no grupo da terapia tripla com budesonida 320 µg (2137 pacientes), 1,07 no grupo terapia tripla com 160 µg de budesonida (2121 pacientes), 1,42 no grupo glicopirrolato-formoterol (2120 pacientes), e 1,24 no grupo formoterol-budesonida (2131 pacientes). A taxa foi significativamente mais baixa no grupo terapia tripla com 320 µg de budesonida do que no grupo glicopirrolato-formoterol (24% mais baixa: RR 0,76; IC95% 0,69 a 0,83; P<0,001) ou no grupo budesonida-formoterol (13% mais baixa: RR 0,87; IC 95% 0,79 a 0,95; P=0,003). De forma semelhante, a taxa foi significativamente mais baixa com a terapia tripla com 160 µg de budesonida do que no grupo glicopirrolato-formoterol (25% mais baixa: RR 0,75; IC95% 0,69 a 0,83; P<0,001) ou budesonida-formoterol (14% mais baixa: RR 0,86; IC 95% 0,79 a 0,95; P=0,02). A incidência de qualquer evento adverso foi semelhante entre os grupos de tratamento (variação de 61,7 a 64,5%); a incidência de pneumonia confirmada variou de 3,5 a 4,5% nos grupos que incluíram corticoide inalatório e foi de 2,3% no grupo glicopirrolato-formoterol.

CONCLUSÃO: A terapia tripla com budesonida duas vezes ao dia (tanto na dose 160 quanto  320 µg), glicopirrolato e formoterol resultou em uma menor taxa de exacerbações moderadas a graves do DPOC do que glicopirrolato-formoterol ou budesonida-formoterol.

Patrocinado por AstraZeneca, ETHOS

ClinicalTrials.gov number, NCT02465567.

 

Klaus F. Rabe, Fernando J. Martinez, Gary T. Ferguson, et al, for the ETHOS Investigators

sexta, 12 de junho de 2020

Anorexia Nervosa

James E. Mitchell and Carol B. Peterson

FonteN Engl J Med 2020;382:1343-51

- Anorexia nervosa é uma doença psiquiátrica grave caracterizada por inanição e desnutrição, alta prevalência de condições psiquiátricas concomitantes, marcada resistência ou ausência de resposta ao tratamento, complicações clínicas frequentes, e risco significativo de morte.

- Existem dois subtipos: compulsão alimentar, purgação ou ambas; ou restrição alimentar apenas. Anorexia nervosa frequentemente progride de um subtipo para outro, particularmente do tipo restritivo para o subtipo compulsivo-purgativo.

- Indicações para hospitalização incluem profunda hipotensão ou desidratação, anormalidades eletrolíticas graves, arritmias ou bradicardia grave, risco de suicídio, e IMC ≤ 15kg/m2.

- Diversas abordagens psicoterapêuticas são usadas no manejo. Para crianças e adolescentes, tratamentos baseados na família são frequentemente utilizados.

- Medicamentos psicotrópicos são geralmente ineficazes em promover ganho de peso, reduzir sintomas depressivos ou prevenir relapsos em pacientes com anorexia nervosa.

Critérios diagnósticos:

- Restrição da ingesta de energia em relação às necessidades, levando a significativo baixo peso para a idade, sexo, desenvolvimento e saúde mental do/da paciente. Baixo peso significativo é definido por peso abaixo do mínimo normal.

- Medo intenso de ganhar peso ou engordar, ou comportamento persistente que interfira com ganho de peso, mesmo quando paciente tem baixo peso significativo.

- Distúrbio no sentido da percepção do próprio peso ou formato corporal, indevida influência do peso ou formato corporal na auto-avaliação, ou falta de percepção persistente da gravidade do baixo peso corporal.

Subtipos:

- Tipo restritivo: Durante os últimos 3 meses, o paciente não teve episódios recorrentes de compulsão ou purgação (vômito autoinduzido, abuso de laxativos, diuréticos ou enemas). Perda de peso é resultado primariamente de dieta, jejum, excesso de exercício ou todos estes métodos.

- Tipo compulsivo e purgativo: Durante os últimos 3 meses, o paciente realizou episódios recorrentes de comer compulsivo ou purgação (vômito autoinduzido, abuso de laxativos, diuréticos ou enemas).

Gravidade:

- Leve: IMC ≥17

- Moderado: IMC entre 16 e 16,99

- Grave: IMC entre 15 e 15,99

- Extremamente grave: IMC <15

James E. Mitchell and Carol B. Peterson