.:Associação Médica de Pelotas:.

Atualização científica

Progesterona em Mulheres

Sexta-feira, 11 de Dezembro de 2015

Estudo Randomizado da Progesterona em Mulheres com Abortos Recorrentes

A.Coomarasamy, H. Williams, E. Truchanowicz, et al

Fonte: N Engl J Med 2015;373:2141-8.

Base Teórica: Progesterona é essencial para a manutenção da gestação. Contudo, é incerto se a suplementação de progesterona no primeiro trimestre da gestação aumenta a taxa de nascidos vivos em mulheres com história de abortos recorrentes não explicados.

Métodos: Nós conduzimos um estudo multicêntrico, duplo-cego, controlado por placebo, randomizado, para investigar se o tratamento com progesterona aumenta as taxas de nascidos vivos e a sobrevida do neonato entre mulheres com abortos recorrentes não explicados. Nós randomizamos mulheres com abortos recorrentes para receber supositórios vaginais com 400 mg de progesterona micronizada duas vezes na semana ou placebo, logo após o teste urinário de gestação positivo (e não mais tardiamente que 6 semanas de gestação) até 12 semanas de gestação. O desfecho primário foi a taxa de nascidos vivos após 24 semanas de gestação.

Resultados: Um total de 1568 mulheres foram avaliadas para elegibilidade e 836 destas mulheres que permaneciam sem conceber naturalmente em 1 ano e que mantinham vontade de participar do estudo foram randomizadas para receber progesterona (404 mulheres) ou placebo (432 mulheres). O seguimento para o desfecho primário ocorreu em 98,8% (826 das 836 mulheres). Na análise por intenção de tratar, a taxa de nascidos vivos foi 65,8% (262 de 398 mulheres) no grupo progesterona e 63,3% (271 de 428 mulheres) no grupo placebo (risco relativo 1,04; intervalo de confiança de 95% [IC95%] 0,94 a 1,15; diferença de 2,5 pontos percentuais; IC95% -4,0 a 9,0). Não houve diferença significativa entre os grupos na taxa de eventos adversos.

Conclusão: O tratamento com progesterona no primeiro trimestre da gestação não resulta em maior taxa significativa de nascidos vivos entre mulheres com história de abortos recorrentes não explicados.