Atualização científica

Atualização Científica: Transtorno de Estresse Pós

Sexta-feira, 17 de Julho de 2015

Prevenção Farmacológica do Transtorno de Estresse Pós-traumático e Transtorno de Estresse Agudo: Revisão Sistemática e Metanálise

Sijbrandij M, Kleiboer A, Bisson JI, et al

Fonte: LANCET Psychiatry, Volume 2, No. 5, p413–421, May 2015

Base Teórica: Um número crescente de estudos tem investigado a prevenção farmacológica do Transtorno de Estresse Pós-traumático (TEPT) e Transtorno de Estresse Agudo (TEA). Esta é a primeira revisão sistemática a avaliar os efeitos das medicações (b-bloqueadores, hidrocortisona, e inibidores seletivos da receptação de serotonina) utilizadas dentro do primeiro mês após um evento traumático ou aversivo para prevenção de TEPT ou TEA em comparação com ausência de tratamento farmacológico ou placebo.

Métodos: Foi realizada uma busca sistemática da literatura no PubMed, PsycINFO, Embase, e base de dados Cochrane. Foram incluídos ensaios clínicos randomizados, ensaios clínicos controlados e estudos de coorte; em geral, a qualidade destes foi considerada baixa a moderada. Nós computamos o risco relativo da incidência (RRI): o risco da incidência de TEPT ou TEA nos grupos de tratamento farmacológico em relação à incidência de TEPT ou TEA nos grupos controle. Adicionalmente, nós avaliamos o tamanho de efeito (Hedges´g) para TEPT ou TEA como desfechos contínuos.

Resultados: 15 estudos preencheram os critérios de inclusão (1765 indivíduos). O tratamento farmacológico foi mais efetivo em prevenir TEPT ou TEA que placebo ou ausência de intervenção (14 estudos, 1705 indivíduos, RRI 0,65, IC95% 0,55-0,78, NNT 11,36), embora nenhum efeito tenha sido encontrado quando apenas ensaios clínicos randomizados foram incluídos (10 estudos, 300 indivíduos, RRI 0,69, IC 95% 0,40-1,21). Hidrocortisona mostrou um amplo efeito em reduzir o risco de TEPT (5 estudos, 164 indivíduos, RRI 0,38, IC95% 0,16-0,92).

Interpretação: Nenhuma evidência concreta foi encontrada para a eficácia das farmacoterapias precoces na prevenção de TEPT ou TEA, mas a hidrocortisona reduziu o risco de desenvolver TEPT. O pequeno número de estudos e suas limitações de qualidade metodológica lançam incerteza sobre seus efeitos.