Atualização científica

Rastreamento de doença cardíaca

Quinta-feira, 26 de Março de 2015

Rastreamento de doença cardíaca com eletrocardiograma, ecocardiograma de estresse ou cintilografia miocárdica: Posicionamento de alto-valor do American College of Physicians

Roger Chou, American College of Physicians

Fonte: Ann Intern Med. 2015;162:438-447

Base teórica: O rastreamento cardíaco em adultos com eletrocardiograma em repouso ou esforço, ecocardiograma com estresse ou cintilografia miocárdica pode revelar achados associados com aumento do risco de eventos coronarianos, mas a avaliação cardíaca inapropriada em adultos de baixo risco é identificada como uma importante área de abuso por diversas sociedades profissionais.

Métodos: Revisão narrativa de revisões sistemáticas, diretrizes, artigos na área.

Resultados: O rastreamento cardíaco não tem demonstrado melhora nos desfechos dos pacientes. É associado a potencial malefício devido a resultados falso-positivos já que estes podem levar a exames complementares e procedimentos subsequentes desnecessários. O rastreamento cardíaco é particularmente ineficiente em adultos com baixo risco de doença coronariana dada a baixa prevalência e valor preditivo do teste nesta população e a baixa probabilidade de achados positivos afetarem a decisão de tratamento. Nesta população de pacientes, médicos devem focar em estratégias para atenuar o risco cardiovascular através do tratamento de fatores de risco modificáveis (como tabagismo, diabetes, hipertensão, dislipidemia e sobrepeso) e do incentivo para níveis saudáveis de exercício.

Posicionamento de alto-valor: Médicos não devem realizar rastreamento para doença cardíaca em adultos assintomáticos com baixo risco através de eletrocardiograma em repouso ou esforço, ecocardiograma de estresse, ou cintilografia miocárdica.