Atualização científica

Desfechos da gestação após cirurgia bariátrica

Quinta-feira, 05 de Março de 2015

Desfechos da gestação após cirurgia bariátrica

Johansson K, Cnattingius S, Näslund I, et al

Fonte: N Engl J Med 2015;372:814-24

Base teórica: A obesidade maternal é associada a aumento do risco de diabetes gestacional, recém-nascido grande para idade gestacional, parto prematuro, malformações congênitas e natimorto. O risco destes desfechos em mulheres que realizaram cirurgia bariátrica é incerto.

Métodos: Nós identificamos 627.693 gestações únicas no Registro Sueco de Nascimentos de 2006 a 2011, dos quais 670 ocorreram em mulheres previamente submetidas à cirurgia bariátrica e cujo peso pré-operatório estava documentado. Para cada gestação depois da cirurgia bariátrica, até cinco gestações controle foram selecionadas conforme o índice de massa corporal (IMC) pré-operatório da gestante (e IMC pré-gestacional para as controles), idade, paridade, história de tabagismo, escolaridade e ano do parto. Nós avaliamos o risco de diabetes gestacional, recém-nascido grande ou pequeno para idade gestacional, parto prematuro, natimorto, morte neonatal e malformações congênitas maiores.

Resultados: Gestações após cirurgia bariátrica, em comparação com gestações controles pareadas, foram associadas com menor risco de diabetes gestacional (1,9% vs 6,8%; odds ratio [OR] 0,25; intervalo de confiança de 95% [IC] 0,13 a 0,47; P<0,001) e recém-nascido grande para idade gestacional (8,6% vs 22,4%; OR 0,33; IC95% 0,24 a 0,44; P<0,001). Em contraste, elas foram associadas a maior risco de recém-nascido pequeno para idade gestacional (15,6% vs 7,6%; OR 2,20; IC95% 1,64 a 2,95; P<0,001) e gestação de menor duração (273 vs 277 dias; diferença média de -4,5 dias; IC95% -2,9 a -6,0; P<0,001), embora o risco de parto prematuro não tenha sido estatisticamente diferente (10,0% vs 7,5%; OR 1,28; IC95% 0,92 a 1,78; P=0,15). O risco de natimorto ou morte neonatal foi 1,7% vs 0,7% (OR 2,39; IC95% 0,98 a 5,85; P=0,06). Não houve diferença significativa entre os grupos na frequência de malformações congênitas.

Conclusões: Cirurgia bariátrica foi associada à redução do risco de diabetes gestacional e de crescimento fetal excessivo, menor duração da gestação, aumento do risco de recém-nascido pequeno para idade gestacional e, possivelmente, aumento da mortalidade.