Atualização científica

Controle menos rigoroso versus .....Hipertensão na

Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2015

Controle Menos Rigoroso Versus Rigoroso da Hipertensão na Gestação

Laura A. Magee, Peter von Dadelszen, Evelyne Rey, et al.

Fonte: N Engl J Med 2015; 372:407-417

Base teórica: Os efeitos do controle menos rigoroso versus rigoroso da hipertensão nas complicações da gestação são desconhecidos.

Métodos: Nós realizamos um estudo aberto, internacional, multicêntrico, com mulheres de 14 a 33 semanas e 6 dias de idade gestacional, com hipertensão pré-existente ou gestacional não-proteinúrica, pressão arterial diastólica de 90 a 105 mmHg (ou 85 a 105 mmHg se estivessem em uso de medicação anti-hipertensiva), e feto vivo. Estas mulheres foram randomicamente alocadas para controle menos rigoroso (pressão diastólica com alvo de 100 mmHg) ou rigoroso (alvo de 85 mmHg). O desfecho composto primário foi perda gestacional ou necessidade de cuidados neonatais de alto nível por mais de 48 horas durante os primeiros 28 dias de vida. O desfecho secundá rio foi complicação materna grave em até 6 semanas após o parto ou até a alta hospitalar, qualquer que ocorresse mais tardiamente.

Resultados: Foram incluídas 987 mulheres na análise; 74,6% tinham hipertensão pré-existente. As taxas do desfecho primário foram similares entre as 493 mulheres alocadas para o controle menos rigoroso e as 488 mulheres alocadas para o controle rigoroso (31,4% e 30,7% respectivamente; razão de chances ajustada 1,02; intervalo de confiança de 95% [IC95%] 0,77 a 1,35), assim como as taxas de complicações maternas graves (3,7% e 2,0%, respectivamente; razão de chances ajustada 1,74; IC95% 0,79 a 3,84), apesar da média da pressão diastólica mais elevada em 4,6 mmHg no grupo com controle menos rigoroso (IC95% 3,7 a 5,4). Hipertensão grave (≥160/110 mmHg) ocorreu em 40,6% das mulheres no grupo com controle menos rigoroso e em 2,5% das mulheres no grupo mais rigoroso (P<0,001).

Conclusões: Nós não encontramos diferença significativa entre os grupos no risco de perda gestacional, necessidade de cuidados neonatais de alto nível, ou complicações maternas, embora o controle menos rigoroso tenha sido associado a maior frequência de hipertensão materna grave.

ClinicalTrials.gov number, NCT01192412